CONTRA TORCIDA

O atual Presidente do XV de Piracicaba, (A2 Paulista) Sr Arnaldo Antônio Bortoletto (Engenheiro Agrônomo) contrariando sua torcida demitiu o treinador Tarcísio Pugliese. A demissão em si, embora a contragosto da torcida do XV, desde que respeitados os trâmites legais é uma prerrogativa do clube, salvas as regras assinadas em contrato.. Um procedimento legal que contrariou a lógica. Nas redes sociais do clube, os torcedores fizeram campanha para a volta do treinador com hashtag "#vortatarcisio", e nas ruas faixas foram colocadas em protesto ao “autoritarismo” do presidente.



PRESIDENTE TREINADOR?

O que nos assombra foi a declaração do mandatário do XV que ao ser indagado pela Rádio Educadora de Piracicaba: "Quem define o jogo são os atletas que estão lá dentro. É só dar onze camisas, que eles vão definir. Quem decide são os jogadores e não o treinador", comentou Arnaldo Bortoletto.”



ROTA DE COLISÃO

A FBTF até entende que deva ser difícil para um agrônomo presidir um Clube da envergadura do XV de Piracicaba e ter de explicar futebol fundamentado em seus aprendizados da ciência agrária. Não deve ser uma tarefa fácil. O Presidente entrou também em rota de colisão com a sua torcida.



UM AGRÔNOMO NA BOLA

Poderíamos ficar aqui em muitas linhas tentando explicar ao Agrônomo que a sua infeliz declaração ainda que fruto de uma ignorância que se justifique, contraria a história e os princípios básicos da modalidade esportiva chamada Futebol. Nossa sociedade é formada por Líderes, a Agronomia é formada por Líderes Professores que ensinam, Líderes Cientistas que pesquisam, Líderes em Climatologia que dizem quando plantar, Especialistas em Solo que definem onde e como semear... Uma soma grande de “especialistas” nas mais variadas funções e áreas da agronomia, correto?



ESPECIFICIDADES NO FUTEBOL

O que faz o senhor Antônio Bortoletto acreditar que o Futebol é diferente quando o assunto é conseguir unir em um só profissional a liderança e o conhecimento? O Futebol tem especialistas em Fisiologia, Nutrição, Educação Física, Ortopedia, etc.. Um staff completo e capacitado para exercer bem, cada qual a sua função e claro, tem também o Treinador de Futebol. Zagallo em 1970, Felipão em 2002, Parreira em 1994, Vicente Feola em 1958 e Aymoré Moreira, em 1962... na concepção do Agrônomo “jogaram as camisas pra cima”?



CADA UM NA SUA

Somos dezenas de Profissionais, alguns Doutores, Graduados, Pós Graduados e certificados para o exercício da profissão. Com a evolução do Futebol e suas especificidades, novos profissionais vêm sendo formados e utilizados nos mais variados campos de atuação no futebol moderno. Mas a formação de agrônomo (que é uma importante profissão) não ensina o Futebol que em sua essência é único, assim como a própria agronomia.



TREINADOR AGRÍCOLA

O Futebol vem sendo vítima de práticas e costumes que ferem a razão e ofendem a moral. Jamais veremos um Treinador de Futebol em uma área de plantio orientando uma “produção agrícola”, mas assistimos aberrações em que um Agrônomo se atreve, com a conivência da Lei, Presidir um Clube de Futebol.



A EVOLUÇÃO DOS TREINADORES

A habilitação exigida pelos Clubes, Federações, CBF, COMEMBOL, FIFA e UEFA para certificar, capacitar e habilitar um Treinador de Futebol aumentam a cada ano. Um funil estreita, capacita e define quem pode atuar no mercado como Treinador. Para se tornar um Treinador de Futebol nos dias de hoje exige-se dedicação, alto investimento e estudo aplicado.


A INVOLUÇÃO DO FUTEBOL

Do outro lado na contramão de todo esse processo evolutivo temos exemplos como este em que qualquer um pode, REPITO, com a conivência da lei, tentar manchar e denegrir o exercício desta bela profissão e assim, empobrecer o Futebol como um todo. Não adianta cobrarem a EVOLUÇÃO do Treinador enquanto os clubes são administrados de forma amadora e sem responsabilidades. A isso chamamos de INVOLUÇÃO!



ENQUANTO ISSO O TORCEDOR..

E você ainda acha que quem perde o jogo é o Treinador?


FBTF



Link da matéria:


https://m.futebolinterior.com.br/noticias/presidente-do-xv-de-piracicaba-diz-que-treinador-nao-decide-em-vitoria

  • FBTF



Impressiona como uma declaração pode ser distorcida. O desejo da notoriedade, do furo e da notícia podem motivar muita gente a entender à sua maneira uma frase dita, e ao publicá-la induzir o leitor ao erro de interpretação.


Não bastou o abandono do Treinador português do cargo no Flamengo, esse seria um belo tema para reflexão dos intelectuais que analisam e comentam o futebol pelo Brasil.. Não, não bastou! O que levou o Treinador Português ao abandono? Um contrato melhor? Algum problema no Flamengo? Ou seria um problema pessoal? Indagações acerca da saída de JJ não faltam e cá pra nós, criatividade para fantasiar essas razões também não.


Em entrevista coletiva concedida, Luxemburgo ao ser indagado sobre a saída de JJ do Flamengo, entre outras respostas disse: "Se fosse um treinador brasileiro que tivesse feito a opção de JJ, estaria apanhando!"


Luxemburgo não foi perguntado se JJ agiu certo ou errado, sua declaração veio em defesa da falta de um senso comum em que o Treinador Brasileiro é analisado e julgado pela imprensa aqui no Brasil. É comum assistirmos aos Treinadores Brasileiros, independente das razões que os motivem a trocarem de clube, serem execrados, julgados e incompreendidos quando à exemplo de JJ, optam pela mudança!


LUXEMBURGO analisou a reação da mídia e não a decisão do Português.


Mercenários! Esta seria a palavra de ordem ao Treinador brasileiro.


Interessante quando um Treinador é demitido, ver o senso comum que há entre a mídia que forma a opinião, o clube e a torcida. A contrato do Treinador já vem com a clausula da "confissão de réu" antes mesmo do crime ser praticado.


Todo profissional, isso vale para o Treinador Português JJ, o Médico, o Engenheiro, o Padeiro, o Gari e o Treinador de Futebol no Brasil, tem o direito de buscar em sua carreira melhores condições de trabalho, sem que necessariamente haja uma ordem de benefícios estabelecidos por algum "entendido no assunto".


Beira a hipocrisia supor que melhores salários, condições de trabalho, plano de carreira, vida familiar, crescimento na carreira e a felicidade, não sejam sempre o objetivo de todo trabalhador! Você abriria mão dessas vantagens?


Se o Português JJ resolveu deixar a Gávea, teve suas razões, e ele deve ser respeitado por isso. Se o Treinador no Brasil fizer o mesmo, aqui, ali ou acolá, deve ter respeitada suas razões e receber da mídia esportiva, dos clubes e da torcida o mesmo tratamento dado ao Português.


Qualquer coisa que vá além disso é paixão cega, corporativismo, egoísmo e má intenção.


Boa Sorte ao Treinador Jorge Jesus, parabéns pelas conquistas do passado, do presente e as que há de conquistar ainda!


Obrigado ao Treinador Vanderlei Luxemburgo por expressar publicamente o sentimento de todos nós!


FBTF


Link da matéria:

https://youtu.be/ctPgRtSdxX8

273 visualizações1 comentário
  • FBTF

A Federação Brasileira dos Treinadores de Futebol – FBTF – se reuniu na noite de ontem para tratar das pautas de interesse da classe dos Treinadores de Futebol no Brasil.


O encontro foi realizado através de aplicativo virtual. Participaram da reunião o Presidente José Mário e a Diretoria Executiva composta pelos Treinadores Vagner Mancini, Oswaldo Oliveira, Sebastião Lazaroni, Dorival Júnior, Marcos Boccatto, Alfredo Sampaio, Jorge Campos (Jorginho), Silas Pereira, Paulo Turra, Hélio dos Anjos e Mazola Júnior.


Entre os assuntos abordados destacaram-se a necessidade da aprovação da Lei Caio Júnior que “altera” a Lei 8.650 de 1993 que atualmente regulamenta a profissão dos Treinadores de Futebol. O Futebol durante esses anos vem passando por importantes e profundas modificações na relação de trabalho entre clubes e treinadores e a atual Lei ficou desatualizada. A consequência disto causa a desproteção do profissional ao exercer a sua profissão. A Lei Caio Júnior (Projeto de Lei 7.560 de 2014) tem por objetivo atualizar a Lei que já regulamenta a profissão.


Foi abordado na reunião a assinatura da Medida Provisória nº 984 pelo Presidente Jair Bolsonaro que entre outras medidas obriga que o repasse dos recursos oriundos do direito de arena (pago aos atletas de futebol pelas tv's) seja feito direto pelo clube. A FBTF através da Lei Caio Júnior objetiva à exemplo dos atletas, que os Treinadores de Futebol sejam contemplados com este direito (arena) e o repasse seja feito pela própria FBTF, à exemplo dos Sindicatos e como já vinha acontecendo, sem a participação dos clubes.


Até a MP 984 os Sindicatos eram os responsáveis por esse repasse. Na MP 984 os clubes passam a ficar responsáveis por esse repasse, excluindo os Sindicatos dos Atletas de Futebol e futuramente a FBTF. A FBTF já se planeja para ir à Brasília em audiência com o Presidente da República. A MP 984 já está valendo, mas precisa ser aprovada pela Câmara dos Deputados.


Sem a aprovação da Lei Caio Júnior que até aqui segue na Câmara dos Deputados, e o repasse de recursos que viabilizem as ações da FBTF, o apoio à classe dos Treinadores de Futebol ficará comprometido. Existem no Brasil centenas de Treinadores de Futebol que não figuram na elite nacional e necessitam de incentivos para capacitação, ajuda social, orientação jurídica e profissional.


As contribuições feitas pelos Treinadores também receberam destaque na reunião de ontem. Única fonte de receita da Federação, elas cresceram em virtude da conscientização dos Treinadores em prol dos avanços necessários e que trarão benefícios para todos. As contribuições permitem que os representantes da FBTF planejem o futuro, se façam presentes nos eventos de interesse da classe, se hospedem, se locomovam e marquem presença onde se fizer necessário na promoção e fomento do importante trabalho que os Treinadores desenvolvem nos clubes. Defender a categoria com a criação e alteração de Leis que garantam o pleno exercício do Treinador de Futebol é uma das metas da FBTF e foi tema na reunião.

As as estratégias de comunicação e o formato adotado. A FBTF tem também por objetivo aumentar o seu quadro de Treinadores, e que estes estejam engajados no propósito de contribuir com o crescimento da Federação e isso será alavancado por intermédio da sua comunicação. Responder rápido e de maneira eficaz aos ataques atribuídos aos Treinadores de Futebol, muitas vezes sem que este possa fazer sua defesa sendo alijado o seu direito de resposta é um dos focos deste trabalho. A adesão e participação dos Treinadores de Futebol a este modelo de comunicação é imprescindível para que a mídia esportiva nacional esteja atenta à voz dos Treinadores de Futebol.


Quem cala, consente!


Ter uma posição, lado e voz se faz necessário para que a opinião pública passe a enxergar um contra ponto, uma outra forma de ver os fatos além do que fora noticiado sempre e até aqui em via única! Graças as mídias sociais, será possível alcançar os torcedores e enriquecer a notícia com informações que chegarão até a sua tv, seu rádio e como dito, principalmente nos canais sociais.

Muitos outros temas de relevância foram tratados na reunião que acontece a cada mês entre os membros da Diretoria Executiva.


Você Treinador de Futebol, faça parte da FBTF: https://www.fbtf.com.br/formulario-fbtf


Em breve mais informações!

FBTF

Comunicação

  • Instagram
  • https://www.youtube.com/channel/UCu7Z2EIv8N3IoUpMK5E-H-A
  • Facebook
  • Twitter ícone social

FBTF / CNPJ nº 19.173.271/0001-77 / Rua Professor Gabizo, nº 237, Bairro da Tijuca, Rio de Janeiro – CEP 20.271-064 / E-mail: contato@fbtf.com.br 

Todos os direitos reservados a PIN Int Neg